Produção gráfica #1

Pedro Burgos

Detalhe do livro “Airbag e Outras Histórias” de Pedro Burgos, editado pela MaisBD/Mundo Fantasma em 2003.

Há uns tempos quando foram deixar o Zona Negra na livraria, a primeira página em que o abro tem uma notória falta de resolução. Verifico o resto rapidamente e está igual, muito evidente em todas as páginas a preto e branco, mas também nas cinzentas e a cores, através do texto da balonagem.
Na inauguração da exposição Sinfonia Quadripolar troquei umas ideias sobre o assunto com o Pepdelrey, porque os livros da El Pep sofrem do mesmo problema. Coincidência ou não, impressos digitalmente no mesmo local em Espanha.

Subway Life

Subway Life de António Jorge Gonçalves com uma pixelização inaceitável, editado pela Assírio & Alvim em 2010.

E também falei do assunto com o Dinis Conefrey, na inauguração da sua exposição, a propósito de um outro caso recente que considero surpreendente: o livro “Subway Life” de António Jorge Gonçalves, uma edição em capa dura, numerada e assinada, editado pela Assírio & Alvim da gigante Porto Editora. Neste caso impresso em offset, com os desenhos a linha com uns escandalosamente visíveis 300dpi (parece variar ao longo do livro) e toda a delicadeza do traço arruinada. Uma pena.
Uma coisa que eu fazia facilmente há dez e mais anos, com equipamento muito menos capaz, parece hoje muito difícil e o mais incrível é que ninguém parece notar, a começar pelos editores. Dos leitores também não há queixas, ao que atribuo a excesso de poluição e lixo visual de toda a ordem. Hoje olha-se e não se vê. Ainda se está a olhar para uma coisa, já se está a pensar na próxima.
E por esta altura a maior parte já está a perguntar de que é que eu estou a falar. É muito simples: se o traço preto de um desenho ou das letras do texto estiver às escadas ou mal definido, isso é uma indicação sem margem para dúvidas que está impresso com resolução insuficiente e em última análise, não foi assim que os autores o desenharam. É um sinal de baixa qualidade de reprodução e de baixos standards de edição, tudo facilmente evitável. Neste momento, podem ir olhar para os vossos exemplares do que já referi e muitos outros, que certamente vão ver as coisas como elas são.
Proximamente, vou tentar explicar como preparar banda desenhada para impressão através de uma série de textos sobre produção gráfica para pequenos editores.

Deixar uma resposta

Mantenha-se no tópico, seja simpático e escreva em português correcto. É permitido algum HTML básico. O seu e-mail não será publicado.

Subscreva este feed de comentários via RSS